Busca
  • portaldiaadia_am
  • @diaadia_am
  • diaadia_am

Enem: após denúncia de interferência, Bolsonaro nega ter visto questões

Presidente falou novamente sobre o exame, que passa por crise às vésperas de sua realização, no fim de semana. No passado, questões tinham 'ativismo político' e 'comportamental', segundo o presidente

Enem: após denúncia de interferência, Bolsonaro nega ter visto questões Foto: Reprodução/Internet Notícia do dia 17/11/2021

Da Redação

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (17), durante viagem ao Catar, que não viu as questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano. Na segunda (15), ele disse que as questões do Enem começavam a ter a "cara do governo".

 

Jornalistas voltaram ao tema nesta quarta e perguntaram ao presidente se ele tinha visto as questões.

 

"Não, não vi. Eu não vejo, não tenho conhecimento", respondeu Bolsonaro.

 

O Enem vive uma crise nos últimos dias. Na semana passada, servidores do Inep, órgão responsável pelo exame, afirmam que sofreram pressão psicológica e vigilância velada na formulação do Enem 2021 para que evitassem escolher questões polêmicas que eventualmente incomodariam o governo Bolsonaro. 37 deles entregaram seus cargos no Inep. O exame vai ser realizado neste fim de semana.

 

A presidente da Comissão de Educação da Câmara, Dorinha Rezende (DEM-TO), afirmou que o colegiado vai chamar o ministro da Educação, Milton Ribeiro, para prestar esclarecimentos.

 

Ataques ao Enem

Em Doha, capital do Catar, Bolsonaro falou com jornalistas após um passeio de moto. Ele visitou o estádio de futebol Lusail. O Catar vai sediar a Copa do Mundo de 2022.

 

Ainda falando sobre o Enem, o presidente repetiu ataques que faz à prova desde o período da campanha eleitoral. Para Bolsonaro, o Enem tinha "questões esquisitas" e de "ativismo comportamental".

 

"Olha o padrão do Enem do Brasil. Pelo amor de Deus! Aquilo mede algum conhecimento, ou é ativismo político? Ou é ativismo também na questão comportamental. Não precisa disso", disse Bolsonaro.

 

*Com informações do G1